Games novamente no banco dos réus

[ad#texto]
Já é antiga a briga entre dois grupos distintos, aqueles que gostam de games e os defendem e aqueles que acham que a violência excessiva de diversos títulos é algo que afeta de forma negativa o crescimento e educação dos jovens por todo o mundo.

Agora a Cruz Vermelha coloca em questão a discussão de que os games deveriam respeitar os tratados internacionais e os crimes de guerra.

A Cruz Vermelha alega que os games estão massificando e banalizando a violência e crimes de guerra prejudicando assim todo um trabalho de décadas para que as guerras sejam mais “limpas e honestas”.

Realmente eu concordo com o trabalho da Cruz Vermelha, afinal acredito que civis e mesmo soldados não deveriam ser expostos a armamento que ou cause como único objetivo a mutilação ou sofrimento extremo, visando vencer pelo pavor e guerra psicológica, mas considerar que games estão ajudando nisso já passa para o absurdo.

A Cruz Vermelha precisa entender que os maiores fascínoras em guerra nunca jogaram um game sequer e que em uma guerra sempre as leis e tratados internacionais serão violados, principalmente pelo lado que está perdendo que ao final lançará mão de todos os recursos disponíveis para tentar reverter o jogo.

Fonte: Meiobit

Tags:
Petter Rafael
Petter Rafael

Desenvolvedor Web atua com as tecnologias Java e PHP apoiadas pelos bancos de dados Oracle e MySQL. Além dos ambientes de desenvolvimento acima possuiu amplo conhecimento em servidores Apache/Tomcat, Photoshop, Arte & Foto, Flash e mais uma dezena de ferramentas e tecnologias emergentes. Atualmente colabora com o Viablog escrevendo sobre programação e tecnologia.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 324 outros assinantes

Busca

julho 2020
DSTQQSS
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031 

Categorias