Orkut será encerrado oficialmente pelo Google

Finalmente o Orkut será encerrado oficialmente pelo Google amanhã, sem choro, se você tem algo de importante veja aqui como fazer backup.

Quem acessou a internet na década passada deverá sentir saudades do que iremos falar agora: a partir de amanhã o Orkut será encerrado oficialmente pelo Google, conforme anuncio publicado em junho.

Orkut será encerrado oficialmente pelo Google

Orkut será encerrado oficialmente pelo Google

O Orkut foi a rede social que de fato popularizou o conceito de redes sociais no Brasil e em vários outros países do mundo, ainda me lembro de um passado não muito distante onde quase nenhum amigo ou conhecido meu utilizava o Facebook, tudo era Orkut e quando naquela época ao redor do mundo o Facebook crescia dia-a-dia e eu dizia que muito em breve o Facebook seria o líder muitos riam.

Para os saudosistas de plantão o acesso ao Orkut estará liberado até o final do dia de hoje, a partir de amanhã quem tentar acessar o Orkut terá somente um acesso para um link de exclusão definitiva de todos os seus dados, nada de gerenciar comunidades ou scraps.

Ainda não é certo o que o Google fará com todos os dados, mas eles permanecerão em uma espécie de backup gigante, afinal as iterações no Orkut supero a caso do 1 bilhão.

Para quem quiser fazer algum tipo de backup poderá utilizar esta ferramenta fornecida pelo próprio Google para importar suas fotos do Orkut para o Google+ e como o Google+ não oferece suporte para os scraps e depoimentos se você quiser salva-los deverá acessar o Google Takeout para exportar todos em um arquivo ZIP.

Enfim, finalmente o Orkut será encerrado oficialmente pelo Google, ficarão apenas as lembranças (algumas nem tão boas assim) de toda uma geração de internautas, foram risos, choros e vergonhas alheia na rede social que começou tudo o que conhecemos hoje em termos de socialização virtual.

Leia mais:

iPhone 6 dobra no bolso

O recém lançado iPhone 6 dobra no bolso de diversas pessoas e finalmente a Apple se manifesta a respeito desta possível falha, veja os detalhes aqui.

O recém lançado iPhone 6 e iPhone 6 Plus tem causado muita reclamação na internet, tudo porque o iPhone 6 dobra simplesmente colocando-o no bolso, sem ser necessário fazer muito esforço.

Existem vídeos e fotos mostrando alguns iPhone’s 6 com a parte superior levemente dobrada e todos alegam que não foi exercido nenhuma pressão ou outro tipo de força para que tenha ocorrido a dobra.

iPhone 6 dobra no bolso

iPhone 6 dobra no bolso

Agora a Apple se manifestou afirmando que existem apenas 9 pessoas alegando que o iPhone 6 dobra dentre os mais de 10 milhões de unidades comercializadas até então, ainda de acordo com a Apple este é um índice baixo e que distorções no processo de fabricação podem ocorrer.

A Apple não se pronunciou sobre como está sendo o tratamento de troca ou reparo destas unidades que apresentaram problemas, porém levando em conta o volume de reclamações é bem provável que existem bem mais de nove pessoas com o problema de dobra, isso sem falar nas reclamações sobre outros motivos.

Um detalhe que devemos levar em conta que no processo de montagem de um smartphone os processos de encaixe e/ou solda podem realmente apresentar problemas, porém o problema de dobra do iPhone 6 é um problema estrutural e a estrutura é formada por ligas metálicas, no caso específico do iPhone 6 a carcaça é de alumínio – um metal notadamente maleável – e reforços de titânio internos já para evitar problemas de torções e deformações.

É provável que realmente exista um problema no projeto do iPhone 6, onde uma leve pressão em um ponto específico irá permitir que o iPhone 6 dobre sem muito esforço.

O fato é que realmente o iPhone 6 dobra, tanto que até a própria Apple assume isso, embora tente minimizar o problema, resta saber se o problema irá se expandir conforme mais e mais unidades do iPhone 6 vão sendo vendidas.

Leia mais:

Shellshock: falha grave de segurança ameaça o bash

Uma nova falha grave de segurança foi descoberta, estamos falando do Shellshock, veja aqui todos os detalhes de como se proteger.

Primeiro vamos explicar o que é Bash, basicamente se você utiliza Linux ou OsX já deve ter visto o seu interpretador de comandos, pois bem, este interpretador é o Bash e hoje foi divulgado o Shellshock, uma falha grave de segurança no Bash.

Shellshock: falha grave de segurança ameaça o bash

Shellshock: falha grave de segurança ameaça o bash

Mas nem só de desktops, servidores ou notebooks vive o Bash, ele também integra conjuntamente com o Linux uma infinidade de câmeras remotas, roteadores, switchs dentre tantos outros equipamentos de informática.

O shellsock permite que comandos arbitrários sejam executados assim que o Bash é carregado e desta forma é possível comprometer todo o sistema (provavelmente foi assim que a NSA se apoderou de vários dados sigilosos).

Para saber se o seu computador está inseguro digite o seguinte comando no terminal:

env x='() { :;}; echo vulnerável' bash -c "echo teste"

Se aparecer a mensagem “vulnerável” pode ir se preparando, pois seu computador está vulnerável (o que não significa que a falha de segurança tenha sido explorada na sua máquina).

Para se precaver do Shellshock é preciso que o fabricante do seu sistema o atualize, coisa que várias distribuições Linux já fizeram, porém para os amantes da maçã mordida resta esperar pois a falha de segurança ainda persiste.

Embora vários fabricantes já estejam liberando patches de correção a falha de segurança Shellshock poderá perdurar por anos, pois uma infinidade de equipamentos que não são computadores possuem algum tipo de Bash e podem estar vulneráveis e nestes equipamentos o processo de atualização costuma ser muito mais complexo.

Leia mais:

Revelamos o Nexus 6 o novo smartphone do Google

Revelamos o Nexus 6, próximo lançamento do Google para a linha Nexus, veja todos os detalhes e conheça este smartphone que irá apertar a concorrência.

Revelamos o Nexus 6, o Google vem obviamente fazendo grande suspense acerca do Nexus 6, até porque ao que tudo indica ele não será mais fabricado pela LG e sim pela Motorola.

Revelamos o Nexus 6 (esta é uma representação com base no original feito por 9to5Google)

Revelamos o Nexus 6 (esta é uma representação com base no original feito por 9to5Google)

Se você não gostar de spoilers é bom parar de ler, caso contrário irá saber antes de todos como será o Nexus 6 (na verdade este não será o nome dele, mais adianta contaremos).

O primeiro detalhe é sobre o fabricante, sempre o Nexus é baseado em um smartphone top de linha de um fabricante, nesta especificação o Google dita detalhes de design, hardware e demais firulas coisas, sempre visando a total integração com o Android, no Nexus 6 não será diferente, ele será fabricado pela Motorola e será baseado no hardware do novo Moto X, porém com vários detalhes e melhorias que irão diferencia-lo do modelo da Motorola, afinal o Nexus não é uma mera cópia.

Sobre o hardware, haverá potência de sobra que aliada a um Android “puro” irá proporcionar desempenho superior aos demais concorrentes, vale ressaltar que o Nexus 6 virá com o Android L de fábrica, veja as especificações:

  • Processador Snapdragon 805;
  • 3 GB de Ram;
  • 32 GB de armazenamento sem expansão por cartão de memória;
  • Bateria de 3.200 mAh;
  • Tela de 5,92″ Quad-HD;
  • Câmera traseira de 13 megapixels gravando em 4k;
  • Câmera frontal de 2 megapixels.

Fica claro que é muito hardware, boa bateria e uma tela gigante de altíssima resolução, agora um segredo até agora é que o Nexus 6 provavelmente não irá se chamar Nexus 6 e sim Nexus X, tudo porque o termo Nexus 6 poderia trazer problemas jurídicos com o espólio de Philip K. Dick, autor do livro O caçador de androides (1968) - que deu origem ao filme Blade Runner, pois neste livro é citado um personagem chamado Nexus-6.

Detalhes do nome a parte, o preço deverá ser igual ao dos outros lançamentos da linha Nexus, com valores girando em termo de R$ 1.500,00 e o futuro Nexus X seria anunciado no dia 15 de outubro e disponibilizado para venda em novembro (isso lá fora, sem previsão de venda para o Brasil).

Agora que revelamos o Nexus 6 vamos mantê-los informados, pois estamos acompanhando este lançamento do Google.

Leia mais:

Como mudar propriedades CSS com JQuery

Veja como mudar propriedades CSS com JQuery de uma forma simples e fácil, esta dica vai ajudar você a montar seu layout de modo dinâmico e interativo.

É comum surgir a necessidade de manipularmos CSS em tempo de execução e a melhor forma de realizar esta tarefa é utilizando JQuery.

Como mudar propriedades CSS com JQuery

Como mudar propriedades CSS com JQuery

Veja como mudar propriedades CSS com JQuery de forma muito simplificada:

HTML:

<div>
 <p>Exemplo de parágrafo!!!</p>
</div>

Agora vamos adicionar um fundo cinza em tempo de execução:

$("div").css("background", "#ccc");

Agora vamos explicar como mudar propriedades CSS com JQuery, o primeiro trecho é puro HTML, ele é que será manipulado e o segundo trecho é um pequeno código-fonte JQuery que vai efetivamente alterar a renderização através do .css() do JQuery.

No $() você vai selecionar o elemento pelo TAGNAME, pela classe ou pelo ID do elemento e o .css() é adicionado a propriedade CSS que será manipulada e em seguida o seu valor.

Porém é preciso tomar um cuidado, embora várias propriedades CSS sejam iguais em um arquivo CSS “puro” e no JQuery alguma delas terão pequenas diferenças de escrita, veja uma tabela de conversão:

Propriedade – CSSReferência – JavaScript
backgroundbackground
background-attachmentbackgroundAttachment
background-colorbackgroundColor
background-imagebackgroundImage
background-positionbackgroundPosition
background-repeatbackgroundRepeat
borderborder
border-bottomborderBottom
border-bottom-colorborderBottomColor
border-bottom-styleborderBottomStyle
border-bottom-widthborderBottomWidth
border-colorborderColor
border-leftborderLeft
border-left-colorborderLeftColor
border-left-styleborderLeftStyle
border-left-widthborderLeftWidth
border-rightborderRight
border-right-colorborderRightColor
border-right-styleborderRightStyle
border-right-widthborderRightWidth
border-styleborderStyle
border-topborderTop
border-top-colorborderTopColor
border-top-styleborderTopStyle
border-top-widthborderTopWidth
border-widthborderWidth
clearclear
clipclip
colorcolor
cursorcursor
displaydisplay
filterfilter
fontfont
font-familyfontFamily
font-sizefontSize
font-variantfontVariant
font-weightfontWeight
heightheight
leftleft
letter-spacingletterSpacing
line-heightlineHeight
list-stylelistStyle
list-style-imagelistStyleImage
list-style-positionlistStylePosition
list-style-typelistStyleType
marginmargin
margin-bottommarginBottom
margin-leftmarginLeft
margin-rightmarginRight
margin-topmarginTop
overflowoverflow
paddingpadding
padding-bottompaddingBottom
padding-leftpaddingLeft
padding-rightpaddingRight
padding-toppaddingTop
page-break-afterpageBreakAfter
page-break-beforepageBreakBefore
positionposition
floatstyleFloat
text-aligntextAlign
text-decorationtextDecoration
text-decoration: blinktextDecorationBlink
text-decoration: line-throughtextDecorationLineThrough
text-decoration: nonetextDecorationNone
text-decoration: overlinetextDecorationOverline
text-decoration: underlinetextDecorationUnderline
text-indenttextIndent
text-transformtextTransform
toptop
vertical-alignverticalAlign
visibilityvisibility
widthwidth
z-indexzIndex

 

Feito, agora você já sabe como mudar propriedades CSS com JQuery em tempo de execução.

Leia mais:

O maior perigo da Internet não é a pirataria

Se engana quem pensa que o maior perigo da internet é a pirataria como nós a conhecemos, existem problemas muito mais graves como este que vamos falar.

Hoje existe uma preocupação crescente sobre pirataria, principalmente estúdios fazendo (ou forçando) megaoperações visando impor até mesmo restrições a serviços como o Netflix, tudo em nome de uma visão mercadológica antiquada que luta para sobreviver na era digital, porém o maior perigo da internet não é esta pirataria de filmes e músicas em que o simples usuário faz o download vez ou outra, o problema é muito mais grave e já está fortemente estabelecido.

O maior perigo da Internet não é a pirataria

O maior perigo da Internet não é a pirataria

Há um tempo atrás o FBI localizou a “loja on-line” Silk Road que operava na Deep Web e comercializava diversos produtos ilegais, porém como o sistema já estava estabelecido uma nova loja tomou o seu lugar, a bola da vez era a Evolution que chegou com mais recursos de segurança e muito mais opções acerca dos produtos e serviços oferecidos.

Neste meio tempo ainda foi lançada a Silk Road 2, porém seus servidores foram comprometidos e diversos usuários tiverem suas contas de Bitcoins roubadas, coisa que na Evolution é praticamente impossível de acontecer já que ela implementa algo chamado de carteira compartilhada onde em três pontas diferentes (comprador, vendedor e servidor) pelo menos duas precisam autorizar uma transação de Bitcoin.

Mas o maior perigo da internet não está localizado em uma loja underground da Deep Web, o problema maior reside na “política comercial” adotada pela Evolution.

Enquanto a Silk Road não permitia transações de produtos destinados a ferir pessoas a Evolution não se preocupa com estes “termos éticos” e permite a comercialização de praticamente tudo, desde dados frutos de roubo de senhas até mesmo encomenda de assassinatos e tudo isso pago com Bitcoins.

Enquanto gravadoras gigantes se preocupam com simples usuários que baixam poucos Megabytes de músicas por ano e pressionam governos para que a fiscalização e leis punam tais “infratores” com severidade extrema, o maior perigo da internet se espalha e se ramifica sem grandes preocupações e a julgar pela organização da Evolution e o modo que o lugar antes ocupado pela Silk Road foi rapidamente preenchido podemos crer que igual ocorre no mundo real o crime organizado já se infiltrou de tal maneira no mundo digital que mesmo que a Evolution seja fechada outra irá tomar o seu lugar, com um grau de refinamento ainda maior.

O maior perigo da internet se prolifera a passos largos e está cada vez mais organizado e difícil de combater, quem dirá de ser exterminado.

Leia mais:

Como criar uma planilha com JXL no Java

Veja um exemplo completo de como criar uma planilha com JXL no Java e automatize processos repetitivos na sua empresa e deixe o trabalho manual de lado.

Uma dúvida bem recorrente é como criar uma planilha com JXL no Java (aqui eu já mostro como ler uma planilha do Excel) para automatizar processos para criação de planilhas do Excel, com a API JExcel, antes de utilizar o exemplo não se esqueça de fazer o download da página do projeto.

Como criar uma planilha com JXL no Java

Como criar uma planilha com JXL no Java

Veja nosso exemplo:

package br.com.gualda.teste.tutorial.jexcel;
 
import java.io.File;
import java.io.IOException;
import java.util.Locale;
 
import jxl.CellView;
import jxl.Workbook;
import jxl.WorkbookSettings;
import jxl.write.Formula;
import jxl.write.Label;
import jxl.write.Number;
import jxl.write.WritableCellFormat;
import jxl.write.WritableFont;
import jxl.write.WritableSheet;
import jxl.write.WritableWorkbook;
import jxl.write.WriteException;
import jxl.write.biff.RowsExceededException;
 
public class TutorialJExcel {
 
private WritableCellFormat timesBoldUnderline;
private WritableCellFormat times;
private String inputArquivo;
 
// Exemplo de Como criar uma planilha com JXL no Java
public void setOutputFile(String inputArquivo) {
this.inputArquivo = inputArquivo;
}
 
// Método responsável por fazer a escrita, a inserção dos dados na planilha
public void insere() throws IOException, WriteException {
// Cria um novo arquivo
File arquivo = new File(inputArquivo);
WorkbookSettings wbSettings = new WorkbookSettings();
 
wbSettings.setLocale(new Locale("pt", "BR"));
 
WritableWorkbook workbook = Workbook.createWorkbook(arquivo, wbSettings);
// Define um nome para a planilha
workbook.createSheet("Jexcel", 0);
WritableSheet excelSheet = workbook.getSheet(0);
criaLabel(excelSheet);
defineConteudo(excelSheet);
 
workbook.write();
workbook.close();
}
 
// Método responsável pela definição das labels
private void criaLabel(WritableSheet sheet)
throws WriteException {
// Cria o tipo de fonte como TIMES e tamanho
WritableFont times10pt = new WritableFont(WritableFont.TIMES, 10);
 
// Define o formato da célula
times = new WritableCellFormat(times10pt);
 
// Efetua a quebra automática das células
times.setWrap(true);
 
// Cria a fonte em negrito com underlines
WritableFont times10ptBoldUnderline = new WritableFont(
WritableFont.ARIAL, 10, WritableFont.BOLD, false);
//UnderlineStyle.SINGLE);
timesBoldUnderline = new WritableCellFormat(times10ptBoldUnderline);
 
// Efetua a quebra automática das células
timesBoldUnderline.setWrap(true);
 
CellView cv = new CellView();
cv.setFormat(times);Bom pessoal, é isso ai, qualquer dúvida é só avisar.
cv.setFormat(timesBoldUnderline);
cv.setAutosize(true);
 
// Escreve os cabeçalhos
addCaption(sheet, 0, 0, "Coluna 1");
addCaption(sheet, 1, 0, "Coluna 2");
addCaption(sheet, 2, 0, "Coluna 3");
}
 
private void defineConteudo(WritableSheet sheet) throws WriteException,
RowsExceededException {
// Escreve alguns números
for (int i = 1; i < 10; i++) {
// Primeira coluna
addNumero(sheet, 0, i, i + 10);
// Segunda coluna
addNumero(sheet, 1, i, i * i);
// Terceira coluna
addNumero(sheet, 2, i, 10 - i);
}
 
// Efetua a soma das colunas criadas anteriormente
StringBuffer buf = new StringBuffer();
buf.append("SUM(A2:A10)");
Formula f = new Formula(0, 10, buf.toString());
sheet.addCell(f);
buf = new StringBuffer();
buf.append("SUM(B2:B10)");
f = new Formula(1, 10, buf.toString());
sheet.addCell(f);
buf = new StringBuffer();
buf.append("SUM(C2:C10)");
f = new Formula(2, 10, buf.toString());
sheet.addCell(f);
 
// Agora vamos inserir algum texto nas colunas
for (int i = 12; i < 20; i++) {
// Primeira coluna
addLabel(sheet, 0, i, "JExcel " + i);
// Segunda coluna
addLabel(sheet, 1, i, "Tutorial");
// Terceira coluna
addLabel(sheet, 2, i, "Exemplo" + (10 - i));
}
}
 
// Adiciona cabecalho
private void addCaption(WritableSheet planilha, int coluna, int linha, String s)
throws RowsExceededException, WriteException {
Label label;
label = new Label(coluna, linha, s, timesBoldUnderline);
planilha.addCell(label);
}
 
private void addNumero(WritableSheet planilha, int coluna, int linha,
Integer integer) throws WriteException, RowsExceededException {
Number numero;
numero = new Number(coluna, linha, integer, times);
planilha.addCell(numero);
}
 
private void addLabel(WritableSheet planilha, int coluna, int linha, String s)
throws WriteException, RowsExceededException {
Label label;
label = new Label(coluna, linha, s, times);
planilha.addCell(label);
}
 
public static void main(String[] args) {
//                WritableWorkbook workbookIn;
TutorialJExcel exemplo = new TutorialJExcel();
// Define o caminho e nome do arquivo que será criado
exemplo.setOutputFile("/tmp/ExemploJExcel.xls");
try {
exemplo.insere();
} catch (WriteException e) {
// TODO Auto-generated catch block
e.printStackTrace();
} catch (IOException e) {
// TODO Auto-generated catch block
e.printStackTrace();
}
System.out
.println("Agora, vá até a pasta definida anteriormente e verifique o resultado em: /tmp/ExemploJExcel.xls ");
}
 
}

O código é bem completo e observando os comentários dá para entender claramente o que está sendo feito.

Agora você já sabe como criar uma planilha com JXL no Java, qualquer dúvida é só utilizar os comentários abaixo.

Como criar uma planilha com JXL no Java é mais fácil, embora o código seja um pouco extenso, ele cobre todos os procedimentos mais comuns que precisamos ao criar uma planilha.

Fonte: brunogualda

Leia mais:

Como fazer ancora dinâmica com JQuery

Um bom efeito de transição pode diferenciar seu site, veja como fazer ancora dinâmica com JQuery e atribua este diferencial ao seu site.

Você já viu aquele efeito bonitinho onde ao clicar com um link a página rola suavemente para a sua posição? Então, isso é um tipo de ancora implementada com JQuery, bem simples e funciona em todos os browsers, então veja como fazer ancora dinâmica com JQuery.

Como fazer ancora dinâmica com JQuery

Como fazer ancora dinâmica com JQuery

Vamos primeiro ao código:

function scrollAnimate(elemento, margem, velocidade, url){
 $(location).attr('href', url);
 
 if($(elemento).length > 0){
  posicao = $(elemento).offset().top - margem;
 }
 
 $('html, body').stop().animate({ scrollTop: posicao }, velocidade);
}

Vamos explicar primeiro os parâmetros desta função:

  • elemento: pode ser o class ou id de qualquer elemento DOM do HTML que será o destino da ancora;
  • margem: caso queira, pode pontuar uma margem para sobra no posicionamento;
  • velocidade: é a velocidade do movimento;
  • url: é a URL de destino, pode ser outra URL da original ou pode ser a mesma.

Uma vantagem desta função é que você pode apontar para a mesma URL e fazer um movimento de ancora ou ainda apontar para outra URL e com isso obter o efeito de rolamento na transição entre páginas.

A função foi testada em diversos browsers, do Google Chrome ao Internet Explorer e em todos o funcionamento foi total.

Não se esqueça de agregar o JQuery a sua página, se não fizer isso esta função não vai funcionar.

Pronto, agora você já sabe como fazer ancora dinâmica com JQuery.

Leia mais:

Como instanciar classes dinamicamente com Java

Veja uma forma muito simples de como instanciar classes dinamicamente com Java e flexibilize seu código-fonte, uma necessidade de todos os desenvolvedores.

Em diversas situações vamos precisa flexibilizar o código-fonte ao ponto de só sabermos qual classe instanciar em tempo de execução e daí descobrimos que não sabemos como instanciar classes dinamicamente com Java.

Como instanciar classes dinamicamente com Java

Como instanciar classes dinamicamente com Java

Porém este processo é mais simples do que você pode imaginar. Veja um simples exemplo:

Class classe = Class.forName("net.viamais.exemplo.MinhaClasse");
Object instancia = classe.newInstance();
Method meuMetodo = classe.getMethod("metodoMeu");
Boolean controle = (Boolean) meuMetodo.invoke(instancia);

Vamos detalhar o passo-a-passo de como instanciar classes dinamicamente com Java:

  • Linha 1: pelo nome da classe com sua especificação completo eu “carrego a classe” em tempo de execução;
  • Linha 2: eu crio a instancia da classe apontada anteriormente (neste ponto o construtor padrão já é executado como quando eu instancio normalmente);
  • Linha 3: eu defino o método que vou executar;
  • Linha 4: eu invoco o método e capturo o seu retorno.

Pronto, um processo muito simples e agora você já sabe como instanciar classes dinamicamente com Java.

Leia mais:

Como configurar corretamente o backup automático do Google

Veja como configurar corretamente o backup automático do Google para consumir menos bateria e não consumir seu plano de dados.

Realmente o backup automático do Google é uma mão na roda, seja no caso de uma troca de smartphone, em caso de roubo ou até mesmo em caso de dano, todas as fotos, vídeos e outros arquivos importantes estarão na nuvem, porém muita gente reclama que deixando o backup automático ativo o consumo de bateria e tráfego de dados é muito alto, isso é devido a falta da devida configuração. Então veja aqui como configurar corretamente o backup automático do Google.

Por padrão – afinal o Google não sabe o que e como você quer fazer backup – o seu gadget vai fazer backup automático das pastas com arquivos pessoais sempre que forem alteradas, mas isso vai exigir muito da bateria e do seu plano de dados por isso acredito que o melhor modo é equilibrar a segurança do backup configurando para que o backup automático do Google somente seja executado quando o gadget estiver conectado no wi-fi e para poupar a bateria configure também que o gadget esteja carregando. Veja como é simples:

  • Para configurar para realizar o backup somente no wi-fi: abra o App Fotos > Configurações > Backup Automático > Fazer Backup de fotos, aqui selecione somente com conexão wi-fi;
  • Para configurar para realizar o backup somente quando carregando: App Fotos > Configurações > Backup Automático > Somente Carregando, aqui selecione a caixa de seleção.

Pronto, agora você não vai gastar seu plano de dados com backup nem corre o risco do backup iniciar quando você estiver com a bateria acabando e longe da tomada.

Mais uma dica muito legal, você sabe como configurar corretamente o backup automático do Google para fazer o backup somente das pastas que você quiser?

É muito simples, primeiro abra o App Fotos > abas da esquerda > No Dispositivo, dentro desta opção serão exibidas as fotos em suas respectivas pastas (lembre-se que o backup automático varre todas as suas pastas em busca de fotos e vídeo) agora vem a parte da seleção de pastas para backup.

Como configurar corretamente o backup automático do Google - acessando a configuração

Como configurar corretamente o backup automático do Google – acessando a configuração

Você notou que na parte superior ao lado do nome da pasta tem um ícone de uma nuvem azul? Este ícone indica que a pasta está configurada para fazer o backup automático, para desmarca basta tocar este ícone e ele de azul passará a ser cinza.

Como configurar corretamente o backup automático do Google - Selecionando pastas de backup

Como configurar corretamente o backup automático do Google – Selecionando pastas de backup

Viu como configurar corretamente o backup automático do Google é simples?

Leia mais: