Facebook e Google dizendo não ao PRISM

[ad#texto]

Com o advento da crise política e da divulgação da existência do PRISM, as empresas de tecnologia envolvidas em um possível acordo de monitoração negaram veemente a sua participação ou ciência sobre a existência do PRISM, o Google na figura de Larry Page e o Facebook na figura de Mark Zuckerberg emitiram suas respectivas notas sobre o ocorrido, vejam:

Mark, Facebook:

Eu quero responder pessoalmente às revoltantes notícias da imprensa sobre o PRISM.

O Facebook não faz e nunca fez parte de nenhum programa para dar ao governo dos Estados Unidos e a nenhum outro acesso direto aos nossos servidores. Nós nunca recebemos nenhum pedido ou ordem judicial de qualquer órgão do governo pedindo informações ou metadados em massa, como o que a Verizon teria recebido. E mesmo que tivéssemos, nós brigaríamos contra agressivamente. Não tínhamos sequer ouvido falar no PRISM antes de ontem.

Quando governos pedem dados ao Facebook, nós revisamos cada pedido cuidadosamente para ter certeza que sempre seguem processos corretos e todas as leis aplicáveis, e só então damos a informação caso seja exigida por lei. Nós continuaremos brigando agressivamente para manter as suas informações seguras.

Nós encorajamos governos a serem muito mais transparentes sobre todos os problemas que visam manter a segurança pública. É a única forma de proteger todas as liberdades civis e criar a sociedade livre e segura que queremos a longo prazo.

Agora o Larry, Google:

Você já deve ter ficado sabendo das reportagens na imprensa que afirmam que empresas de internet se juntaram a um programa secreto do governo dos Estados Unidos chamado PRISM para dar à NSA acesso direto aos nossos servidores. Como CEO do Google e Chief Legal Officer, queremos que vocês saibam todos os fatos.

Primeiro, nós não entramos em nenhum programa que daria ao governo dos Estados Unidos – nem a nenhum outro governo – acesso direto aos nossos servidores. O governo dos Estados Unidos não tem acesso direto ou uma “backdoor” para as informações guardadas em nossos data centers. Nós não tínhamos ouvido falar em um programa chamado PRISM até ontem.

Em segundo lugar, nós fornecemos dados a governos apenas quando isso está de acordo com as leis. Nossa equipe jurídica revisa todos os pedidos, e frequentemente nega quando os pedidos são muito amplos ou não seguem o processo correto. Relatos na imprensa que sugerem que o Google está dando acesso aos dados dos nossos usuários são falsos, ponto final. Até as reportagens desta semana, nós nunca tínhamos ouvido falar em um pedido amplo como o que a Verizon recebeu – uma ordem que parece ter exigido que eles fornecessem gravações de ligações de milhões de usuários. Nós estamos muito surpresos ao saber que uma coisa assim exista. Qualquer sugestão de que o Google está fornecendo informações sobre as atividades na internet dos nossos usuários em tamanha escala é completamente falsa.

Finalmente, este episódio confirma o que há muito acreditamos – é preciso ter uma abordagem mais transparente. O Google trabalha duro, dentro das leis atuais, para ser aberto sobre o tipo de pedido de dados que recebemos. Nós postamos estas informações em nosso Relatório de Transparência sempre que possível. Nós fomos a primeira empresa a fazer isso. E, é claro, nós entendemos que o governo dos Estados Unidos e outros precisam fazer medidas para proteger a segurança dos cidadãos – incluindo algumas vezes o uso de vigilância. Mas o nível de segredo sobre os procedimentos legais atuais acabam com a liberdade que desejamos.

Resumindo, conforme o pessoal do Gizmodo já destacou, existe muitos pontos de “coincidência” em ambos os textos, ou ambas as empresas utilizam a mesma equipe jurídica e esta fez a mesma carta para ambas as empresas ou realmente as empresas estão envolvidas em conjunto com o governo dos EUA que instruiu como elas deveriam responder para corroborar uma situação criada para apaziguar os ânimos.

De qualquer forma tudo foi jogado para cima e muita coisa ainda será revirada nas próximas semanas.

Petter Rafael
Petter Rafael

Desenvolvedor Web atua com as tecnologias Java e PHP apoiadas pelos bancos de dados Oracle e MySQL. Além dos ambientes de desenvolvimento acima possuiu amplo conhecimento em servidores Apache/Tomcat, Photoshop, Arte & Foto, Flash e mais uma dezena de ferramentas e tecnologias emergentes. Atualmente colabora com o Viablog escrevendo sobre programação e tecnologia.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 322 outros assinantes

Busca

setembro 2020
DSTQQSS
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930 

Categorias